Entrevista com Francisco Carvalho

by - outubro 26, 2016

Hey Guys,
O entrevistado de hoje é Francisco Paiva, ele é autor do livro Meu irmão, meu amigo. Um livro do gênero infanto juvenil que serve para todas as idades. O livro foi escrito com muito carinho, e espero que gostem de conhecer o autor mais um pouco.



Dois irmãos. Dois grandes amigos. José Maria e Joaquim têm uma ligação muito forte de amor, admiração e cuidado um com o outro. Dois irmãos inseparáveis, que não deixariam de estar lado a lado nem mesmo se o acaso ou o destino tentassem impor o seu afastamento. Uma semana antes das férias escolares de julho, devido a um trágico acidente, eles são obrigados a se separar para sempre. Mas José Maria acaba criando uma estratégia e, assim, consegue preservar o irmão do sofrimento incontido que parecia inevitável. Uma história comovente, de amor e lealdade, que vai emocionar os leitores que acompanharem as aventuras desses dois meninos irmãos.

Formato: eBook Kindle      Número de páginas: 60 páginas   ♥   Editora: Selo Off Flip   ♥    Ano: 2016   ♥   Onde encontrar: Amazon   Digitaliza Brasil 


Bom, vamos começar?!

1- O que te inspirou a escrever o seu livro "Meu Irmão Meu Amigo"? 
O livro foi escrito há bastante tempo; acredito que no inicio da década de 90. Nessa época, eu achava que havia certa escassez de textos infantojuvenis relacionados à morte. Foi aí que imaginei escrever uma história de ficção que pudesse entreter e, também, de alguma forma, ajudar crianças que, muitas vezes, infelizmente, são obrigadas a passar pela triste experiência de perder um ente querido.

2- E o que te fez seguir com a carreira de escritor?
A vontade de escrever surgiu nos meus primeiros anos de estudo. Havia na minha sala uma colega, de nome Virgínia, que escrevia muito bem. Eu ficava impressionado com suas redações: era usina pegando fogo, menino salvando pessoas grandes, cachorro que faltava falar... Ela sempre aparecia com alguma coisa inesperada e tirava, na maioria das vezes, as melhores notas. Eu ficava encantado com suas histórias. Dessa forma,  também fui tomando gosto pela escrita. No final da minha adolescência, comecei a participar de concursos literários. Acabei ganhando alguns prêmios, menções honrosas, participação em antologias e, aí, não parei mais. 

3- Qual foi o maior desafio que você encontrou na carreira de escritor, até o momento?
Sem dúvida continua sendo conseguir um lugar ao sol no mundo literário. Além de ser um mercado bastante concorrido, de existirem inúmeros ótimos escritores (ainda bem),  penso que o hábito da leitura no Brasil ainda é um pouco acanhado. E para o escritor iniciante é sempre difícil encontrar uma Editora disposta a investir em seu trabalho.

4- Quais são os seus próximos projetos? 
Seria a publicação impressa do livro “MEU IRMÃO, MEU AMIGO” e o lançamento do e-book “A ESTRANHA CASA DO JABUTI CASCUDINHO”, que é uma adaptação de um conto infantil de minha autoria, selecionado em uma das edições nacionais do Prêmio SESC de Contos Infantis Monteiro Lobato. Não necessariamente nessa ordem.

5- O que você gosta de ler? Indicaria qual livro para seus leitores?
Gosto de ler romances, livros espíritas e, claro, livros infantis. Indicaria “O Pequeno Príncipe”.

6- Quando escreve, no que se inspira para compor os personagens?
Inspiro-me nas atitudes das pessoas, no comportamento dos animais e também no que ocorre na natureza.

7- Qual é a sua parte favorita no processo de escrita de um livro?
É um processo solitário e, muitas vezes, angustiante. Mas, com certeza, também prazeroso. Por isso, não conseguimos parar. Acho que minha parte favorita é quando estou fazendo a revisão final de uma obra.  

8- Quem você admira no mundo literário?
São muitos. Vou citar apenas alguns: Gabriel Garcia Marquez, José Saramago, George Orwell, Ernest Hemingway, Antoine de Saint Exupéry (♥) e José Mauro de Vasconcelos.

9- Como você administra a sua rotina de escritor com o Trabalho?
Quando estava na ativa, escrevia quase praticamente somente à noite. Agora, já aposentado, ficou mais fácil. Até porque atenuei o ritmo da escrita. É que tenho alguns originais ainda inéditos. Alterno meu tempo lendo, escrevendo, navegando na internet, visitando parentes e desenvolvendo atividades na Casa Espírita, onde frequento. Atualmente, estou trabalhando “Rio Pequeno”, uma história que tem como tema a degradação do meio-ambiente.  

10- Muito obrigada pela entrevista, e lhe desejo todo o sucesso do mundo. Quer deixar um recado para quem ainda não conhece seu livro e para os leitores.
Eu é que lhe agradeço pelas palavras de carinho, pelo incentivo e pela oportunidade de poder falar um pouco de mim e também divulgar esse meu trabalho. Além da experiência de superação vivida por uma criança que, de repente, se vê obrigada a se afastar definitivamente do irmão que tanto amava, o livro traz ainda brincadeiras e aventuras, sempre num clima de muito amor e amizade. Desejo a todos saúde, prosperidade e, acima de tudo, muita paz. Nunca desistam de seus sonhos.


Bate e Volta:

Um sonho? 
A prevalência do bem sobre o mal. Para nós, espíritas, seria a transformação da Terra em um planeta de Regeneração.
Um livro? 
O Pequeno Príncipe
Um filme? 
A Noviça Rebelde
Um seriado? 
Os Waltons
Um lugar? 
Alguma praia tranquila no nordeste brasileiro.
Um autor (a)? 
Antoine de Saint Exupéry
Uma frase? 
Apressa-te a viver bem e pensa que cada dia é, por si só, uma vida. (Sêneca)

Então por hoje é só pessoal, espero que tenham gostado de conhecer mais um autor. E Qualquer dúvida pode me perguntar nos comentários. 

Beijos e até a próxima.

PODE SER QUE VOCÊ TAMBÉM GOSTE:

28 comentários

  1. Olá
    Já me emocionei apenas ao ler a sinopse desse livro, e não tenho duvidas de que, por mais que seja juvenil, seja uma leitura recomendada para todas as idades. E claro que gostaria de poder conferir também. Adorei a entrevista, especialmente porque não conhecia o autor e foi ótimo saber um pouco a seu respeito. De fato, é interessante trabalhar em cima de uma temática tão delicada e que merece mais destaque.. não lembro de ter lido nada parecido.
    Beijos, Fer
    www.segredosemlivros.com

    ResponderExcluir
  2. Olá, tudo bom?
    Ah que saudades que bateu agora, de quando eu ia para escola e a única coisa que pensava era na biblioteca, nos livros ilustrado <3
    Cara, que ideia original do autor, realmente é bem difícil achar livros infantil que fale sobre a morte, os infantos juvenis já nem tanto.
    Me identifiquei, também sempre tive uma enorme vontade de ser escritora e hoje em dia estou tentando botar essa ideia em prática.
    Fiquei muito feliz de conhecer esse autor e o livro me deixou muito interessada.
    Ótima entrevista.

    Sessão Proibida

    ResponderExcluir
  3. Adorei a entrevista, e não conhecia o livro e de cara já achei que deve ser super fofo :)

    www.vivendosentimentos.com.br

    ResponderExcluir
  4. Oi Alice!

    Não conhecia o autor mas adorei a entrevista. O pequeno príncipe é sempre uma boa indicação e ele cita A noviça rebelde, adorei!!! <3 Parabéns!

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
  5. A proposta do livro é linda e já quero comprar para o meu filho e sobrinhas. A entrevista ficou ótima e eu ficarei aqui torcendo para que ele conquiste cada dia mais, o seu espaço ao sol. Não é fácil, mas a torcida é grande e sincera.
    MEU AMOR PELOS LIVROS
    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Que bacana, eu não conhecia o autor e nem o livro mas achei uma ótica dica de leitura para os pequenos. Eu nunca li O pequeno príncipe, acredita??? mas preciso colocar em prática essa dica do autor pois faz muito tempo que eu quero ler. Tenho que concordar com ele que "alguma praia tranquila no nosso nordeste" é um lugar maravilhoso, também gosto de lugares asism.

    ResponderExcluir
  7. Olá!
    Não conhecia o autor mas adorei conhecê-lo e de cara saber um pouco sobre ele. Achei muito curiosa a forma como ele adquiriu o gosto pela escrita e me fez pensar se a menina, a Virgínia, também se tornou escritora ou não.
    Gostei muito do livro dele pois aborda temas inerentes à vida de uma forma bem tranquila para as crianças. Não tenho sobrinhos ou irmãos mas é um ótimo presente para as amigas que já tem filhos.
    Ah, parabéns pela entrevista, ficou excelente!
    Beijos!
    Por Livros Incríveis

    ResponderExcluir
  8. Oie Aline =)

    Não conhecia o livro e nem o autor, mas achei a proposta super bonita.
    O livro é uma ótima opção para os pequenos. Com certeza vou indicar ele para todos os meus amigos que tem filhos.

    Beijos;***

    Ane Reis.
    mydearlibrary | Livros, divagações e outras histórias...
    @mydearlibrary


    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Ariane,
      Que bom que gostou. Espero que seus amigos também gostem ♥

      A leitura é bem leve, mesmo contendo esse enredo, não atrapalha em nada.

      Beijoss

      Excluir
  9. Oi, Aline!
    O autor parece ser um amor de pessoa.
    Se já me emocionei com a sinopse, imagina quando ler o livro.
    Beijos
    Balaio de Babados
    Participe do sorteio Halloween Literário

    ResponderExcluir
  10. Olá,
    Desconhecia o autor, mas adorei saber mais sobre ele e sua obra.
    Faz muito tempo que não leio um infanto juvenil e, por isso, anotei a dica.
    Parece ser uma leitura bem rápida e é bem interessante de onde ele tira inspiração para construir seus personagens.

    http://leitoradescontrolada.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  11. Olá!! :)

    Eu já conhecia o livro e já tive contacto com o autor também... Mas nunca estabeleci uma conversa com ele, por isso fiquei contente em ler a entrevista.

    Realmente e bem difícil escrever na ativa, articular com trabalho/estudo, e mil outras coisas que fazemos... Agora, so me consigo dedicar a escrita 1 (ou 2 com sorte) vezes por semana!... Mas sim aposentado compreendo que seja mais fácil! :)

    Boas leituras!! ;)
    no-conforto-dos-livros.webnode.com

    ResponderExcluir
  12. Ele tem razão na questão de livros para pequeninos que não falam sobre morte, já que é um tema difícil e tem que ser abordado de uma forma bem diferente. E adorei o nome novo do livro dele, super queridinho, o cascudinho então.... Desejo muito sucesso na obra e na carreira.

    Beijos,

    Greice Negrini

    Blogando Livros
    www.blogandolivros.com

    ResponderExcluir
  13. Oi.
    Adoro livros infanto juvenis. Eles conseguem trazer lições e aprendizados de uma forma leve. Esse livro parece ser muito fofo, além de, pelo visto, ajudar a lidar com a morte uma maneira diferente.
    Adorei saber mais sobre o autor e sobre as dificuldades que um escritor encontra.
    Realmente os brasileiros leem pouco e ainda existe preconceito contra os livros nacionais, o que está mudando aos poucos, mas ainda existe.
    Muito sucesso ao autor e gostei muito desse livro, vou conferir.

    ResponderExcluir
  14. Olá Alice,
    Ainda não conhecia o autor, mas gostei muito da entrevista.
    Achei muito bacana o que o motivou a escrever o livro e, logo nessa resposta, pensei que o autor poderia gostar de O pequeno Príncipe. Adorei saber que essa foi sua resposta no bate e volta.
    A amiguinha dele que sempre tirava boas notas foi uma boa inspiração para ele, achei isso massa.
    Sempre achei que escrever é bem solitário, mas prazeroso.
    Beijos

    ResponderExcluir
  15. Olá
    Não conhecia o autor e nem a sua obra, mas adorei a entrevista e o livro dele parece ser bem fofo, não é mesmo?
    Vou procurar mais sobre eles e quem sabe não conhecer um pouco mais de seu trabalho

    beijos
    Mayara
    Livros & Tal

    ResponderExcluir
  16. Oiii, Alice. Tudo bem?
    Eu ainda não conhecia o autor, mas gostei muito de conhecer. Ele parece muito simpático. E seu livro, uma graça :)
    Eu adorei a capa e acho que iria curtir muito o conteúdo, pois gostei da proposta e adoro esses livros escritos para a garotada.
    Desejo sucesso ao autor e que ele consiga atingir seus objetivos :)
    Um beijão
    http://profissao-escritor.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  17. Oi Alice, muito legal a oportunidade de conhecer melhor o autor Francisco Carvalho. Eu não conheço seu livro, mas parece interessante para ser lido na adolescência. Gosto de valorizar os autores nacionais e admiro quem os ajuda, até porque, trabalhar somente como escritor no nosso país é algo muito complicado. Leio várias entrevistas em que relatam ter de manter dois trabalhos e não conseguir se dedicar totalmente à escrita. Uma pena isso. Espero que Francisco, agora aposentado, consiga sucesso nesse ramo. Abraços

    ResponderExcluir
  18. Olá, tudo bom?
    Não conhecia o livro nem o autor, mas, curti muito saber que intenção era ajudar pessoas mais jovens com a perda de entes queridos. Quando perdi meu avô, mais novinha, procurei livros assim e acabei não encontrando na época. Curti a resposta sobre a maior dificuldade. É difícil conquistar um lugar ao sol na literatura realmente, com a quantidade de autores e com o pouco hábito de cultivar a leitura que o brasileiro tem.
    Beijos!
    @PollyanaCampos
    Entre Livros e Personagens

    ResponderExcluir
  19. Dona Alice, só vim aqui passar para dizer: Como você pode excluir o endereço do blog antigo?! Sabe a volta ao mundo que eu dei pra encontrar o novo? Eu não sabia... Mas passado o estresse, amei esse blog novo! Adorei o Layout, o novo estilo com as mesmas postagens de sempre! Estarei acompanhando!

    ResponderExcluir
  20. Oi, tudo bem? Eu adoro esses posts com entrevistas que acho essencial para que a gente conheça mais do Autor por tras do livro...adorei a entrevista e tanto suas perguntas como a resposta dele ficou bem pertinentes..um
    Bj

    ResponderExcluir
  21. Olá.

    Confesso que não conhecia o autor nem o seu livro, mas achei a sinopse bem emocionante e vejo que é uma leitura rápida, pois são poucas páginas. Acho muito bom essas entrevistas, pois assim a gente conhece o autor e o que o levou a escrever aquela história, além de suas inspirações e tal. Amei!

    Beijos!
    Respire Literatura

    ResponderExcluir
  22. Que entrevista mais gostosa!
    Ainda não conhecia o autor, mas adorei esse contato. Gostei muito do livro e da mensagem que ele parece passar. O autor tem razão quando diz que poucos livros retratam a morte, o que é estranho, já que essa é a única certeza que temos. E por ser voltado á crianças, gostei ainda mais.
    Acho que eu me arriscaria a ler.
    Adorei conhecer o autor e desejo sucesso tanto pra você quanto pra ele.
    Bjs, Mila

    http://a-viagem-literaria.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  23. Olá,

    Só na primeira resposta da entrevista o autor já me conquistou, pois é muito difícil comunicar e ajudar uma criança que passava por essa situação, e o autor ter criado um livro pensando nisso, é muito legal. Não o conhecia ainda e não leio com tanta frequência infantos-juvenis, mas fiquei bem curiosa a respeito dessa obra. Todo sucesso ao autor! E parabéns pela parceria.

    Beijos,
    entreoculoselivros.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  24. oie, adorei a entrevista e o estilo do autor, em uma época em que os livros hots e new adults tem se tornado a maioria, é difícil encontrar alguém que escreve para crianças, bacana também o autor ser espírita, acho as doutrinas da religião bem interessantes,

    ResponderExcluir
  25. Oiii

    Não conhecia o autor, e nem o livro, ainda. mas gente que pessoa simpática. Adorei a sinopse do livro e com certeza entrou na minha lista, fora que essa capa está sensacional. A mensagem que ele quis passar foi muito legal, creio que para o publico dele deva ser bem interessante, e eu sendo já bem mais velha, fiquei bem curiosa. Quem sabe consiga ler.

    Bjos
    http://rillismo.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  26. Oi, Alice,

    Achei tri interessante alguém notar essa carência de falar sobre a morte para o público infantil. Mesmo no cinema, depois de O Rei Leão pouco se fez. Aqui no Brasil, lembro só de uma história da Turma da Mônica abordando o tema. Adorei! Gostaria muito de ter um livro desses na minha estante!

    Vim te agradecer o comentário lá no meu post sobre a biografia de Julio Reny n'O que tem na nossa estante. Espero que tenha gostado de ouvi-lo e que tenha buscado mais sobre ele. Suas músicas sempre são significativas em determinados momentos e tranquilizadoras.

    Abraço e boa semana!

    ResponderExcluir